quinta-feira, 10 de maio de 2018

GOLPE É JOGO BRUTO, COM STF, COM TUDO

E efeito diluente e altamente corrosivo que a resistência de Lula produz no campo da articulação golpista é devastador: cai Hulk, cai Barbosa, cai Aécio, Alckmin patina, Temer afunda, STF se desmoraliza, Moro se desmascara. Porém, golpe é golpe, é jogo bruto, com STF, com tudo.

A estratégia de Lula de empurrar para as urnas o mal estar que o golpe impôs ao país até o momento tem tido resultados inesperados para os golpistas, mas previstos pelo próprio Lula. Ele mesmo já dissera que não dariam um golpe contra Dilma para permitirem numa boa, dois anos depois, a volta do PT ao poder numa candidatura Lula. E também foi o primeiro a afirmar que sua prisão era para impedir que vencesse as eleições, o que se vai verificando na prática, pois é campeão de intenções de voto em todos os cenários.

Sucede que, ainda que desmoralizados e arruinados, PMDB e PSDB não escolherão armas para darem prosseguimento à pauta ultraneoliberal que afundou os trabalhadores num desemprego recorde e numa falta de perspectiva em relação ao futuro desesperadora.

A aposta de Lula é a de que seguirá, embora sequestrado pela Al Qaeda de Curitiba, se consolidando como voz do povo até o limite máximo do jogo eleitoral, que é a apuração final das urnas. Os golpistas estão dispostos a tudo, mas não comem merda, nem rasgam dinheiro. Se Lula passar o bastão, perde o controle do processo eleitoral que hoje está todo em suas mãos - daí a pressão para que ele saia do jogo: uma vez fora, os golpistas deitarão e rolarão.

Lula jogará o jogo, seja como for, até depois de as urnas apuradas. Como diz Gonzaguinha em Cama de Gato:
No campo do adversário
É bom jogar com muita calma
Pocurando pela brecha
Pra poder ganhar


JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.

quinta-feira, 3 de maio de 2018

SÃO AS ELEIÇÕES, ESTÚPIDO!


A articulação criminosa - com Supremo, com tudo -, que assumiu o poder a partir da sequência de golpes conta a presidenta Dilma e a coalizão em torno de Lula, apostou até sua última ficha que a prisão do ex-presidente seria o cheque-mate do jogo sujo que instaurou no país com sua estratégia de vale-tudo. Porém nem a deposição de Dilma se deu como essas forças planejaram, nem um mar de rosas neoliberal floresceu no país, nem a prisão de Lula encerrou o jogo.

Empurradas para as urnas - uma vez que cogitaram inclusive adiar as eleições -, esses agentes se dão conta de que a cada golpe de sua sequência de golpes em série, Lula, Dilma e a esquerda recuperaram terreno na arena política, e o próprio campo golpista se foi esfarelando.

O PSDB de São Paulo, o mais consistente até as eleições de 2014, virou pó junto com Aécio. Seu candidato a presidente, o protofascista Geraldo Alckmin, foi traído por seu cafajeste favorito, Dória, que tentou esfaqueá-lo para se tornar o candidato do partido a presidente. Não consumando sua traição inteiramente, este se fez engolir a seco como candidato a governador, quando Alckmin jogava todas as suas fichas em Márcio França, seu vice.

Hoje a situação dos tucanos de rapina de São Paulo é esta:
  • seu candidato a presidente patina nos 5%  do eleitorado, perde para Lula e Bolsonaro no estado em que o tucanato governa há um quarto de século, e que deu a Aécio, em 2014, nada menos de que 66,5% dos votos;
  • seu candidato a governador, Dória, vê seus índices de rejeição na Capital explodirem, após abandonar o governo, de péssima gestão, após 15 meses de posse e nada de governo - e é rejeitado pelo próprio candidato a presidente do partido;
  • o governo do estado foi entregue a Márcio França, impedido de apoiar Alckmin, pois está obrigado pelo PSB a apoiar o candidato do próprio PSB, Joaquim Barbosa;
  • Dória e França, ambos da base tucana, se esfaqueiam mutuamente - o primeiro tentando atrair o eleitor tucano, que não se identifica a priori com ele, pois sua identidade é mais DEM do que PSDB; o segundo, se apoiando na máquina do governo e na articulação de com as 645 prefeituras do estado.

Esse, o de São Paulo, é o melhor PSDB do Brasil hoje. No Rio de Janeiro e em Minas, os tucanos estão completamente destruídos. O MDB-máfia de Temer-Jucá  tenta a todo custo se reerguer da lama  e com a lama ocupando o espaço do finado tucanato local desses estados. A intervenção militar no Rio era parte desse golpe, mas todos são unânimes: fracassou.

A tentativa de golpe contra Pimentel em Minas é uma jogada de risco, e não parece de fácil consecução. A provocação, na forma de intervenção federal no estado do Maranhão, também não dá sinais de ir em frente, pois o próprio Temer é posto na defensiva em face novas e consistentes denúncias sobre sua sabida liderança no esquema podre de corrupção pesada no porto de Santos.

Embora a mídia golpista faça contorcionismo para eliminar Lula dos noticiários, desde que que o roteiro de seu encarceramento foi sacramentado pelo STF, Lula não sai do topo das redes sociais, muito mais influentes hoje do que a rede Globo - prova-o massacre midiático sofrido por Lula e o aumento de seu prestígio junto à população, medido pelos mesmos institutos mantidos por essa mídia prostituída.

Quanto mais o golpe impôs sua agenda e sua estratégia de extermínio de Lula, de Dilma, do PT e da esquerda, mais a esquerda se consolidou e aumentou seu prestígio - e mais o próprio polo golpista se esfarelou. A se manter essa polarização (esquerda X golpistas), as eleições de 2018 serão plebiscitárias: o pior dos mundo para a direita, para os traidores do Brasil e para a corja golpista, encrustada nos três poderes da República, máfia que enoja o país e o atirou numa de suas piores crises políticas, econômicas e morais da história.


JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.


quinta-feira, 26 de abril de 2018

MEC sob o golpe: um esgoto de negociatas podres


Reproduzo a seguir o esclarecedor desabafo de João Escosteguy Filho sobre o esgoto de negociatas podres em que se tornou o MEC após o golpe de Estado que pôs Temer no poder e Mendonça Filho no comando do mesmo Ministério. O esgoto brota a céu aberto.

Uma pequena história dos dias de hoje
Por: João Escosteguy Filho


Se você já leu alguma publicação minha, peço que leia esta também. E contribua para a discussão. Uma pequena história dos dias de hoje. Vamos acompanhar.

Em janeiro de 2018, o SEB comprou o AZ (colégio e curso pré-vestibular do Rio de Janeiro) por 45 milhões de reais. SEB, ou Sistema Educacional Brasileiro, detinha o antigo COC (Colégio Oswaldo Cruz), um gigante do setor privado da educação nascido em 1986, em São Paulo, e vendido em 2011 para a Pearson PLC.

A Pearson PLC é uma multinacional com sede em Londres, criada em 1844 e que, dentre outras, é dona do Financial Times e de metade do The Economist. Em 2009, a The Economist afirmou, em artigo, que a "má qualidade da educação brasileira" é o grande fator de entrave para o desenvolvimento do país.

A mesma revista, em 2012, colocou o Brasil em penúltimo lugar em educação num ranking de 40 nações. Esse estudo foi encomendado pela... Pearson PLC. A mesma que comprou o COC, que era da SEB, que comprou o AZ. A mesma que é dona de metade da... The Economist. Liguem os pontos.Vamos para outro lado da questão:

O fundador da SEB, que vendeu parte imensa da empresa para a Pearson PLC, se chama Chaim Zaher. Chaim Zaher é amigo pessoal do ministro da Educação, Mendonça Filho, e também da secretária executiva do MEC, segunda em comando, Maria Helena Guimarães de Castro. Chaim Zaher sugeriu a Mendonça Filho levar o Prouni e o Fies ao ensino secundário. No qual o SEB é um gigante.

Mendonça Filho, nosso ministro, já afirmou que o Ensino Médio brasileiro precisa de "mudanças urgentes". Maria Helena Guimarães de Castro, segunda em comando, já afirmou que custeio das universidades públicas é insustentável. E que é preciso sintonizar o Brasil com o resto do mundo (desconfio do que isso significa...)

Para Maria Helena, o fundador do SEB, Chaim Zaher (aliás, seu amigo pessoal de mais de 25 anos), é um sujeito dedicado, inteligente, batalhador e "tem feito um trabalho muito importante na educação". O SEB também tem universidades privadas. O Pearson PLC, idem. Liguem os pontos.Vamos avançando.A Pearson PLC também comprou, em 2013, a Wizard, o Yázigi e o Skill (todos os três cursinhos de inglês). E também era dona, até 2017, da Microlins e da SOS computadores (cursos profissionalizantes).

O Novo Ensino Médio tornou inglês disciplina obrigatória. E tornou a educação profissionalizante um "itinerário formativo" nos moldes da profissionalização das décadas passadas (isto é, descolada de qualquer concepção integral de ensino). Pelo modelo do MEC, quem faz ensino profissionalizante não faz Enem. Ou faz com muito mais dificuldade. Basta ligar os pontos.

Adiante:

A relação SEB-Pearson PLC é só a face mais recente de um processo mais amplo.Desde 2011, jjá haviam sido vendidos o pH, o Pensi e o Elite. Todos cursos-colégios do Rio de Janeiro. Rede privada. O pH foi comprado pela Abril Educação. Que depois se tornou o grupo Somos Educação. Que também é dono do sistema Anglo, da rede ETB (escolas técnicas do Brasil), e também das editoras Ática, Scipione e Saraiva. Essas editoras fazem livros didáticos.A venda de livros no Brasil representou, em 2017, algo em torno de 5,2 bilhões de reais. Metade desse valor foi de livros didáticos e compras pelo governo.

Os livros didáticos precisam seguir orientações do MEC. Que promoveu a Base Nacional Comum Curricular, o Novo Ensino Médio e reformulou o Enem, alterando, com isso, a dinâmica desse mercado editorial. Liguem os pontos.

A Abril Educação, como o nome indica, é parte da Editora Abril. A Abril não apenas publica o Guia do Estudante (que inclusive faz rankings de universidades), mas também as revistas Exame, Veja, e Você S/A.

Todas as três são grandes defensoras da privatização da educação. Todas as três louvam o mundo empresarial da educação, formado, dentre outros, pelo Somos, pelo SEB e por demais conglomerados. Os pontos, aqui, já viraram uma estrada.

Vamos que vamos:

O Pensi e o Elite foram comprados pelo grupo Eleva. O Eleva é parte de um fundo de capital chamado Gera Venture. Esse fundo tem como principal investidor (isto é, na prática, o big boss) o banqueiro Jorge Paulo Lemann.

Lemann é apenas o homem mais rico do Brasil. Dono de uns 20 bilhões de dólares. É também dono da Heinz, do Burguer King, da Budweiser, dentre outras. Para inúmeras publicações, o Eleva é dono de algumas das "melhores escolas do país". Por que melhores? Porque estão entre os melhores colocados no ranking do Enem. Para nossa mídia, estar bem colocado no ranking do Enem é sinal de sucesso educacional. O Pensi e o Elite ficam normalmente entre as primeiras colocações no Rio de Janeiro no ranking do Enem. O Pensi e o Elite, dentre outros, forjam seus resultados no ranking do Enem reunindo "elites" de alunos que só entram nas redes a partir do último ano do Ensino Médio. A mídia hegemônica costuma achar que isso, porém, é sinal de sucesso. E deseja esse modelo para o Brasil. Liguem os pontos.

Quase finalizando:

Isso que descrevi acima não contempla nem perto de tudo que rola nesse mundo. Nem mencionei, por exemplo, o Kroton, maior grupo educacional do mundo (do MUNDO). Vocês não acham bizarro que o Brasil, sempre extremamente criticado pela sua educação, sempre extremamente criticado nos rankings educacionais internacionais, seja o lar da maior empresa privada de educação DO MUNDO? O Kroton foi fundado em Belo Horizonte. E já tentou comprar a Estácio de Sá e o próprio SEB. Ambos os negócio só não foram pra frente porque o CADE, à época, embarreirou. Liguem os pontos!

Concluindo:

Enquanto as principais discussões educacionais giram em torno do "Escola sem Partido" e congêneres (e são discussões, de fato, fundamentais), esse movimento de gigantes vem, nos últimos 10 anos, promovendo uma nova face do imperialismo e do privatismo na educação. Sim: é preciso recuperar o conceito de imperialismo.

Não se trata apenas de negócios. Se trata, também, de uma profunda alteração nos sentidos da educação pública no país. 80% dos alunos do Brasil pertencem às redes públicas. Esse negócio bilionário não está aqui apenas para alcançar os demais 20%. Porque, não se enganem, a menina dos olhos de todos esses grupos é a rede pública mais robusta. Especialmente universidades estaduais e federais, IF, Faetec e similares etc.

Prestemos atenção à UERJ. Ali é um grande laboratório do desmonte que será seguido por ataques desses grupos. A grande batalha da próxima década na educação será contra o privatismo. Impossível entender qualquer discussão sobre educação no Brasil, hoje, sem levar em conta esse gigantesco movimento de bastidores.

(Não coloquei links para as informações para não sobrecarregar o texto de referências. Mas basta uma pesquisada na rede para confirmar todos os dados aí.)

EDIT: Dois outros aspectos que, acho, merecem ser mencionados.1) Esse mega-movimento do mercado educacional não seria possível sem o acompanhamento da construção de um consenso que elogia, defende, valoriza esse movimento. Quanto mais defendermos, em escolas públicas, essa lógica como a "correta", mais estaremos oferecendo ao carrasco não só nosso pescoço, mas o pescoço de uma concepção verdadeiramente libertária de educação.Em outras palavras: o que movimenta esse mercado é também um consenso (cuja construção depende muito também da mídia hegemônica) que permite a naturalização do absurdo. Quando o absurdo fica naturalizado, seu combate se torna bem mais difícil.

2) Como construir, então, uma alternativa? Uma visão contra-consensual? Contra-hegemônica? Certamente NÃO SERÁ a partir de uma visão progressista muito forte hoje, que defende, dentre outras coisas, questões culturais isoladas do contexto sócio-econômico.Digo isso pois, apesar de entender a imensa importância desse viés mais culturalista, entendo que essa lógica educacional privatista tem suficiente espaço para acomodar esse elemento de crítica cultural.

Não podemos esquecer um dado fundamental: UM DOS PRIMEIROS ALVOS DO ESCOLA SEM PARTIDO, MAIS DE 10 ANOS ATRÁS, FOI, JUSTAMENTE, O SISTEMA COC. As apostilas eram consideradas muito esquerdistas. Outro alvo do escola sem partido foi o SISTEMA ANGLO, a partir da atuação de um professor que foi mega perseguido por ser muito "petralha" em sala.Estou falando de DEZ-DOZE ANOS ATRÁS.

A luta contra os retrocessos mais culturais (como o Escola sem Partido) precisa vir acompanhada da luta contra esse imperialismo privatista. Senão vamos apenas trocar a frigideira pelo forno.EDIT 2: Leonardo Custodio de Jesus me alertou que a Pearson já vendeu a Microlins e a SOS. Mas isso não muda nada do que escrevi, porque: 1) Essa venda se deu após todo o processo que descrevi (a transação se deu em meados de 2017; as fontes que vi eram anteriores a isso); 2) A interpretação geral ainda se sustenta, já que o grupo Prepara, que comprou essa fatia, está na mesma lógica. Mas agradeço, Leo, a indicação! Incorporei no texto.

EDIT 3: Fiz algumas mudanças pontuais no texto para corrigir questões pontuais de interpretação (SEB e COC, por exemplo, não são a mesma coisa; o COC era parte do SEB, que é, portanto, maior que o COC). O significado e a interpretação geral, porém, continuam os mesmos.

EDIT 4: Fui convidado a ampliar o texto para publicação em um grupo. Aproveitei para incorporar mais alguns aspectos que vasculhei pela rede.

Para ficar em uma: o Somos, dono do pH, pertence ao fundo Tarpon. Um dos sócios do fundo Tarpon (e presidente do Somos), Eduardo Mufarej, é também fundador do movimento Renova Brasil.O movimento Renova Brasil é, atualmente, o grande articulador da campanha do Luciano Huck à presidência...


Esse buraco é bem fundo mesmo.

JEOSAFÁ, professor, foi da equipe do 1o. ENEM, em 1998, e membro da banca de redação desse Exame em anos posteriores. Compôs também bancas de correção das redações da FUVEST nas décadas de 1990 e 2000. Foi consultor da Fundação Carlos Vanzolini da USP, na área de Currículo e nos programas Apoio ao Saber e Leituras do Professor da Secretaria de Educação de São Paulo. É escritor e professor Doutor em Letras pela Universidade de São Paulo. Autor de mais de 50 títulos por diversas editoras, entre os quais O jovem Mandela (Editora Nova Alexandria);   O jovem Malcolm X A lenda do belo Pecopin e da bela Bauldour, tradução do francês e adaptação para HQ do clássico de Victor Hugo, pela editora Mercuryo Jovem. Leciona atualmente para a Educação Básica e para o Ensino Superior privados.